segunda-feira, 30 de novembro de 2009

InfoEducacional e a Secretaria da Educação de SP


(fonte das imagens)

O moço que aparece feliz da vida e sorridente, ao fundo, ao ver uma bolada de dinheiro chama-se Alexandre Tavares de Assis, vulgo Mineirinho. Ele é especialista em informática da educação, é pós-graduado em marketing e gestão de negócios, diretor-presidente da Info Educacional, empresa sediada em Belo Horizonte, com filiais em Brasília e Luanda (Angola). Tal empresa e proprietário são citados na Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal, sobre o governador José Roberto Arruda (DEM) e seu mensalão no Distrito Federal. A empresa de Alexandre teria "dado" R$60 mil ao secretário de Educação do DF, José Luiz Valente, - há outras versões; mais informações neste vídeo.


A Info Educacional, repare só a coincidência ou em como o mundo dos fornecedores governamentais é minúsculo, teve toneladas de software comprados pela FDE, de 2003 a 2006 - os anos dourados das compras desses produtos. A fornecedora entrou nos negócios do Estado de SP pela fantástica porta da inexigibilidade de licitação.
O software em questão foi o Virtus - Módulos Básico, Intermediário e Avançado - de Língua Portuguesa, de Matemática e de Língua Inglesa, serviu para dois projetos educacionais da FDE (Fundação para o Desenvolvimento da Educação): Trilha de Letras e Números em Ação - de Português e Matemática, respectivamente, desenvolvidos pela equipe da gerência de informática pedagógica da FDE, a pedido da Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas (CENP) da Secretaria de Estado da Educação (fonte). Nomes famosos assinaram os contratos: Tirone Francisco Chahad Lanix (Diretor Executivo FDE: 2003-2005), Alexandre Ortelan dos Passos (Diretor Técnico - 2006), Milton Dias Leme (Diretor de Tecnologia da Informação - 2006).

Pelo que se pode apurar nos labirintos do Diário Oficial de SP, foram feitos os seguintes contratos e pagamentos ao Mineirinho:

Vale a pena conferir os seguintes links para outras conclusões sobre a estreiteza das relações no universo dos negócios públicos:

- Vice-governador e Secretário lançam os programas Português e Matemática em Foco (aqui);
-
Tecnologia e linguagem juvenil são ‘ferramentas’ para reforçar aprendizagem de alunos do Ensino Fundamental (aqui);
-
Entrevista com Alexandre Tavares de Assis (aqui);
-
Moderna tecnologia evita evasão escolar e recupera quase 100% dos estudantes (aqui)
- Outras informações no Diário Oficial de SP (aqui).

14 comentários:

  1. Aquela nossa CPI tá de pé...

    ResponderExcluir
  2. www.iof.mg.gov.br
    (Executivo - 20/06/2008) - Editais e Avisos

    SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS / DICC

    1. REFERÊNCIA: PROCESSO DE INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO Nº 0305446.1260.2007-2. INTERESSADO: SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL. ASSUNTO: RATIFICAÇÃO DE ATO DE RECONHECIMENTO DE INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO. DESPACHO. Nos termos da Resolução SEE n.º 905, de 18.05.2007, em referência ao Processo de Inexigibilidade de Licitação n.º 0305446.1260.2007-2, para aquisição de licença de uso de Software "Virtus Letramento", RATIFICO o ato de reconhecimento de inexigibilidade de licitação, com fulcro no artigo 25 da Lei n.º 8.666/93 e AUTORIZO a celebração do contrato com a Info Educacional Ltda. A contratação implicará o valor total de R$ 6.720.000,00 (seis milhões, setecentos e vinte mil reais). As despesas correrão à conta da seguinte classificação orçamentária OP/2008: 1261.12.361.019.1225.0001.3.3.90.39-27 - Fonte: 21.1.1. Belo Horizonte, 17 de junho de 2008. RAQUEL ELIZABETE DE SOUZA SANTOS. Subsecretária de Desenvolvimento da Educação Básica.

    ResponderExcluir
  3. www.iof.mg.gov.br
    (Executivo - 26/10/2006) - Editais e Avisos

    SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

    1. Extrato do Convênio nº 62.1.3.0991/2006. Data: 25/10/2006. Partes: EMG/SEE e a Info Educacional Ltda, de Belo Horizonte, para implementação do "Projeto Virtus Letramento" em 10 (dez) escolas estaduais. Vigência: 12 (doze) meses a contar da data de sua assinatura. Devidamente autorizado nos termos do Decreto n.º 43.601, de 19/09/2003.

    ResponderExcluir
  4. www.iof.mg.gov.br
    (Executivo - 23/05/2007) - Editais e Avisos

    16. Extrato do Convênio n.º 62.1.3.1253/2007. Data: 21/05/2007. Partes: EMG/SEE e a Info Educacional Ltda., de Belo Horizonte, para Projeto "Virtus Letramento" em Escolas Estaduais/MG integrantes dos projetos "Escola Referência" e/ou "Escola de Tempo Integral". Vigência: da data de sua assinatura até 31/12/2007. Devidamente autorizado pela SE-GOV/MG em 15/01/2007.

    ResponderExcluir
  5. www.iof.mg.gov.br
    (Executivo - 27/06/2008) - Editais e Avisos

    14. Extrato do Contrato n.º 218175. Data: 26.06.2008. Partes: EMG/SEE e e a Empresa Info Educacional Ltda. Objeto: aquisição de licença de uso de software - Sistema Virtus Letramento. Valor: R$6.720.000,00. Dotação: OP/2008: 1261.12.361.019.1225. 0001.3.3.90.39-27 - Fonte: 21.1.1. Vigência: 24 (vinte e quatro) meses contados da data de sua assinatura. Assinantes: Vanessa Guimarães Pinto e Alexandre Tavares de Assis.

    ResponderExcluir
  6. www.educacao.mg.gov.br

    Você está em: Início
    Pesquisar palavra-chave virtus Total: 0 resultados encontrados.
    Pesquisar novamente

    ResponderExcluir
  7. A Aulacorhynchus, ave popularmente conhecida como TUCANO, é um animal frugívoro (come fruta). Exatamente por essa razão o clepto-governador Arruda alimentava com panetone (de frutas) a sua criação de tucanos fisiológico da Câmara Distrital.

    ResponderExcluir
  8. De quem é a Total Editora, de Minas que ganhou a licitação "Lições do Rio Grande"? Alguém sabe?

    ResponderExcluir
  9. Aí Namaria!!!
    Verdade neles!!

    ResponderExcluir
  10. POLICIA FEDERAL E CADEIA NELES....

    ResponderExcluir
  11. Arruda ignorou parecer e contratou empresa suspeita

    FERNANDA ODILLA – FOLHA SP
    DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

    O governo de José Roberto Arruda (DEM) ignorou alertas de sua assessoria jurídica e firmou contratos milionários com empresas suspeitas de financiar o mensalão do DEM.
    Em março do ano passado, a própria Procuradoria-Geral do Distrito Federal deu parecer contrário à contratação da Info Educacional por R$ 12 milhões para implantar software em 173 escolas do DF diante da ausência de projeto piloto e justificativa de preços adequada.
    Após quatro meses, mesmo tendo sido alertado para a necessidade de teste prévio e um possível superfaturamento, o governo abriu licitação para comprar programa de computador com exercícios de matemática, português e inglês.
    Em seguida, desclassificou as três primeiras colocadas sob o argumento de que as empresas não passaram no “teste de conformidade” e escolheu como vencedora a Info Educacional, que apresentou preço (R$ 12 milhões) quatro vezes o valor da menor oferta (R$ 3 milhões).
    Neste ano, o contrato com a empresa recebeu um aditivo de R$ 3 milhões.
    Além do contrato de R$ 15 milhões com o DF, a Info Educacional já firmou contratos com outros quatro governos, entre eles as administrações do PSDB em Minas Gerais (R$ 6,7 milhões em 2008) e São Paulo (R$ 12,8 milhões entre 2004 e 2006), todos eles sem licitação.
    Um funcionário da Secretaria de Educação do DF e o dono da empresa foram filmados recebendo dinheiro das mãos do ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa, que revelou o mensalão do DEM.
    O diálogo da negociata de R$ 298 mil também está transcrito no inquérito que apura a fraude na Operação Caixa de Pandora.
    Outra empresa investigada pela PF é a Linknet que, em outubro deste ano, venceu licitação de R$ 223 milhões para manter a prestação de serviços de dados ao governo do DF.
    Dois meses antes do resultado da concorrência, a assessoria jurídica de Arruda sugeriu uma multa à Linknet por falta de cumprimento dum contrato anual de R$ 2,03 milhões com a Secretaria de Justiça. Via assessoria, a secretaria diz que desde fevereiro os repasses estão suspensos porque a empresa não deu as informações solicitadas.
    Citada por Barbosa como uma das empresas pagadoras de propina, a Cap Brasil também teve parecer contrário à sua contratação de licitação em 2006. Ainda assim, fechou contrato para prestar serviço à Secretaria de Justiça. Por meio da assessoria, o governo informou que cancelou contrato porque o projeto não foi executado.
    Como a Folha revelou anteontem, a Secretaria de Saúde do DF, comandada pelo PPS, também contrariou orientação do órgão de controle interno do governo ao contratar a Uni Repro. A entrega de propina envolvendo o nome da empresa está gravada em vídeo.

    ResponderExcluir
  12. DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

    O governo de José Roberto Arruda (DEM) ignorou alertas de sua assessoria jurídica e firmou contratos milionários com empresas suspeitas de financiar o mensalão do DEM.
    Em março do ano passado, a própria Procuradoria-Geral do Distrito Federal deu parecer contrário à contratação da Info Educacional por R$ 12 milhões para implantar software em 173 escolas do DF diante da ausência de projeto piloto e justificativa de preços adequada.
    Após quatro meses, mesmo tendo sido alertado para a necessidade de teste prévio e um possível superfaturamento, o governo abriu licitação para comprar programa de computador com exercícios de matemática, português e inglês.
    Em seguida, desclassificou as três primeiras colocadas sob o argumento de que as empresas não passaram no “teste de conformidade” e escolheu como vencedora a Info Educacional, que apresentou preço (R$ 12 milhões) quatro vezes o valor da menor oferta (R$ 3 milhões).
    Neste ano, o contrato com a empresa recebeu um aditivo de R$ 3 milhões.
    Além do contrato de R$ 15 milhões com o DF, a Info Educacional já firmou contratos com outros quatro governos, entre eles as administrações do PSDB em Minas Gerais (R$ 6,7 milhões em 2008) e São Paulo (R$ 12,8 milhões entre 2004 e 2006), todos eles sem licitação

    ResponderExcluir
  13. PORQUÊ ?????

    A INFOEDUCACIONAL TIROU O SITE DO AR....

    VEJAM
    WWW.INFOEDUCACIONAL.COM.BR

    ResponderExcluir
  14. Quer a resposta? Não deu nada rsrsrs Tudo no Brasil acaba em pizza. A empresa fechou as portas, o mineirinho abriu uma empresa laranja e continua fazendo a mesma coisa. Tudo continua do mesmo jeito. Parabéns o povo brasileiro, parabéns os juristas e parabéns ao governo. Cambada de corja.

    ResponderExcluir