sábado, 18 de outubro de 2014

Governo de SP e Positivo Informática: troca de favores entre amigos muy amigos


Há dois dias recebi mensagem pelo e-mail do NaMariaNews. Algo, no mínimo, alucinante. 

É sobre certos favores, em bens e dinheiro vivo, ofertados, em 2006, pela Positivo Informática ao governador Geraldo Alckmin  e sua esposa, à Fundação Para o Desenvolvimento da Educação (FDE), da Secretaria de Estado da Educação e outros da mesma cepa.

Foi enviada por pessoa que disse: "sou funcionário da Prodesp há milênios, já passei pela SEE [Secretaria de Educação], FDE, Fence, o diabo todo. Sei mais podres sobre o governo do PSDB do que qualquer ser humano pode imaginar. Estou farto de colecionar fatos de corrupções e corruptos, mas ainda bem, quase me aposentando. Chegou a hora de falar e mostrar". Fiquei com inveja mortal, confesso.

Para te situar, já escrevi aqui sobre a Prodesp, em 2010, por conta do caso da Fence, que você pode ver em:
A) Os contratos da Fence com o Governo de SP, e
B) Teia de espiões cerca o PSDB

Fence Consultoria Empresarial LTDA é de propriedade do ex-dirigente do SNI, o coronel reformado do Exército Sr. Ênio Gomes Fontenelle. Conforme parecer do TCU, como "sócio-gerente daquela empresa, (...) faz crer que aquele empresário [Ênio] é verdadeira sumidade no assunto".

Assim, todos os seus contratos são sem licitação. Dinheiro público fácil, fácil - sem contestações.

A Fence entrou no reino Federal pelas mãos de José Serra (PSDB) quando era ministro da Saúde. Depois foi anabolizada em São Paulo pelas mesmas mãos, em 2008.

Mais detalhes podem ser lidos em meu texto Coincidências do Dossiê 2002 nos Negócios de SP.

Fence e Prodesp são apenas alguns dos horrores que José Serra aprimorou em São Paulo.

Se você retornou e leu os links acima (mais os que estão nos textos e sobreviveu), vai crer na mensagem que recebi, porque tudo, eu disse TUDO que é informação do Estado, de São Paulo, de outros Estados do Brasil e diversos órgãos passa (e fica) por lá na Prodesp - e também na Fence.

Quais outros órgãos tem a Fence como freguês?

Coisas do tipo: o Supremo Tribunal Federal, o Superior Tribunal Militar, o Tribunal Superior Eleitoral, o Tribunal de Contas da União, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), o Instituto Nacional de Desenvolvimento do Desporto (Indesp), a Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração do Ministério do Esporte e Turismo (SPOA/MET), a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e por aí vai.

E quais os clientes da Prodesp?

Analise a imagem abaixo e imagine o tamanho do buraco. Atualmente ela não aparece mais no site. Mas aqui podemos saber o que fazem e como. Se você tiver paciência de Jó e olhos de águia poderá se divertir nos Relatórios de Administração, anos 2008 a 2013. O mais atual já dá uma boa ideia de onde estamos metidos.



A Fence, através da Prodesp, faz por nós o que os Estados Unidos fazem com as correspondências eletrônicas e dados pessoais de seus habitantes. Uma beleza.

Rezava o contrato paulista (quando escrevi em 2010) que a Fence buscaria por "intrusões eletrônicas" dentro das áreas da Prodesp, em 113 ramais de PABX e 7 linhas diretas, além de 60 salas. Mas também previa que poderia procurar em áreas fora de sua sede - ou em outras localizações de seu interesse. Ou seja, vai aonde quer, entra onde e quando deseja e você nem sabe - se sabe, cala o bico.

A Prodesp cuida de toda, eu disse toda a rede de dados do Estado de São Paulo, com o tal INTRAGOV (a internet governamental). Então você, ingênuo funcionário público, manda um alô para tua sogra pelo e-mail (pode ser até privado e não da empresa) e pumba!, tá lá guardado, podendo ser lido por quem quer que seja lá dentro (e ser retransmitido a "outros"). Você pode ser severamente punido de várias formas tenebrosas. Não há privacidade nesse mundo. Apenas mistérios.

Portanto esse funcionário que me escreveu está dentro da Prodesp, que por sua vez está no INTRAGOV, que por sua vez "são cuidados" pela Fence. Não é linda essa ciranda?

Mas vamos ao que interessa de fato: a tal mensagem que recebi citada no início.

Embora datada de 2006, envolve nomes de peso do Governo, da FDE (órgão da Secretaria de Estado da Educação - SEE), da igreja e outros.

Alguns deles estão em ação até hoje: o governador Alckmin e esposa Lu Alckmin, Gabriel Chalita, padre Rosalvino Morán Viñayo, padre Marcelo Rossi, Paulo Barbosa, Milton Dias Leme e Tirone Lanix.

O e-mail dentro da mensagem foi endereçado a uma "professora" que não fica em sala de aula dando um duro danado, mas na chefia de uma das gerências por onde mais passa(va) o dinheiro na FDE - talvez só perdendo para a de Obras. Tal gerência mudou de nome e a "professora" também mudou de gerência. Mas o esquema é o mesmo. Caso goste de charadas, faça uma busca no Organograma da FDE. Ela está lá, pode crer.

O e-mail foi assinado por uma funcionária da Positivo, "gerente de projetos", que fazia o meio de campo com a FDE na compra de softwares, computadores, licitações, papel, muito papel - e como se verá: favores, vulgo troca-troca ou toma lá, dá cá... Numa eterna ponte aérea Curitiba-São Paulo-Curitiba, por anos e anos. A moça era (é ainda?) de uma intimidade visceral com aquele povo todo.

Por razões que minha razão reconhece, resolvi manter esses nomes em suspenso, por enquanto. Por quê? Porque talvez elas queiram se manifestar (faz-me rir). Ou, quem sabe, algum leitor mais atento e poderoso possa legalmente requerer explicações aos implicados.

Talvez o próprio governador Alckmin possa  nos dizer o que foi feito com tanta farinha, laptops, computadres...

Talvez o Sr. Tirone nos diga para que diabos serviram 50 toneladas de papel retirados do parque gráfico da Positivo (ooops, papel é dinheiro, sabiam?).

Talvez o pedagogo do amor, Chalita, possa nos explicar em detalhes os R$ 500 mil dados pela Positivo ao padre mega pop star Marcelo Rossi, da Canção Nova, sem escalas.

Quem sabe a gerente de projetos da Positivo possa nos dizer que problema, afinal, ocorreu com os negócios, digo "projetos", de softwares que não geraram lucros - ou melhor, não deram certo?

Que raio de "acordo de doações" foi esse no fim das contas?

Por que a SEE e FDE não podiam comprar e entregar elas mesmas os itens?

Como tais coisas entraram nos locais, em nome de quem? Tem nota fiscal?

Que "dívida" entre compadres foi essa?

No mais, espero que você tire suas conclusões e ajude nas pesquisas, porque a luz no fim do túnel está distante - por hora.

Apenas digo que conheço as pessoas citadas, sei do que são, foram e serão capazes de fazer. Lamento que o remetente tenha se manifestado somente agora. Mas como sempre digo, a função da verdade é aparecer, mesmo que demore.
Talvez a hora para estas verdades esteja chegando.

Assim entenderemos um pouco mais como funcionam os negócios em nossa Educação, porque para essa gente educação não passa disso: Negócios. Dinheiro em penca - ou "Vanderlei", como o chamava Chalita em seus momentos mais eufóricos.

Que fique bem gravada a última frase da gerente da Positivo no e-mail à professora:
Fica claro que a Positivo Informática sempre procurou atender as solicitações do Governo e da SEE.

Clique nas imagens para ampliar. As setas e grifos são do NaMariaNews.
















Agradeço ao remetente por ter-me enviado a certificação da mensagem, com a autoridade da Imprensa Oficial. Lembro a todos que em um computador as coisas e os HDs não são apagados facilmente, ainda mais tendo a Prodesp e a Fence pelo caminho. O mesmo serve para a Internet.


No próximo post teremos algumas explicações e pesquisas sobre os fatos citados. Já está na mira o Diário Oficial.
Favor aguardar.
Grata.

4 comentários:

  1. òÓimo. Agora procura dos contratos dessa com o governo federal , estados e município de governos petista e aliado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Calma, tem muitos podres dos tucanos pra procurar nesses 20 anos de desgoverno.

      Excluir
    2. É isso aí.
      Muito grata, Anônimo do dia 15/11 - 02:33:00.
      Se cada um que vem aqui e me manda fazer coisas fizessem eles mesmos o que me mandam fazer, o mundo estaria um pouco melhor. E eu mais feliz.
      Abraços.

      Excluir
  2. É IMPORTANTE DENÚNCIAS contra os Tucanos, principalmente do Estado de São Paulo, porque praticamente toda a mídia, a grande imprensa e o JUDICIÁRIO BRASILEIRO, protegem tais elementos.

    CONTRA O PT, taí a grande imprensa, o MP, o Juiz, os preconceituosos.

    Acompanheiro o massacre ao Paulo Maluf e agora esta mesma mídia esconde a ladroeira dos Tucanos. O desgovernador Geraldo Aidimim acabou com a USP, com o Instituto Butantã, sucateando o Estado, indústrias estão indo para outros Estados.

    ResponderExcluir